Vacina, Amor e Democracia

  • 30-12-2020

 

“Vacinar é um gesto de amor, como se através da mão de alguém pudéssemos ganhar mais vida. Amor é isso, dar vida, acender uma luz num trilho escuro. Há algo que se ilumina quando um Enfermeiro vacina. Chama-se esperança”.

 

Leia aqui a opinião quinzenal da Bastonária, Ana Rita Cavaco, na revista Sábado.

 

Artigos mais antigos: 

Tudo pelo ar

Um orçamento contra os Enfermeiros 

O tempo da vergonha

Perdemos tempo e oportunidades

Um risco de subsídio

Mal pagos, sim!

No papel está muito bem

Vem aí o Inverno

Não se deixem distrair

Os homens também choram

Não debater para não pensar

O inferno a olho nu

E se ficarmos sem Enfermeiros?

A ver passar aviões

E o plano para a Saúde?

Um golo para todos

A manta continua curta

Enquanto o telefone toca em Londres

É urgente valorizar quem cuida

Proteger e testar

Hora de confiar

E a inquietação

Sem memória e sem culpa

Com chá e bolos

Oportunidade perdida