Ordem em Santarém

  • 04-09-2019

Dirigentes e peritos da Secção Regional Sul (SRSul) da Ordem dos Enfermeiros efectuaram, entre 3 e 5 de Setembro, uma visita às unidades de saúde do distrito de Santarém. Depois de Faro e Portalegre, o projecto Enfermagem@Sul prosseguiu por terras escalabitanas ao encontro dos Enfermeiros para que todos sentissem a Ordem do seu lado e se fizessem sentir ao lado da sua Ordem. Descrevemos aqui o que aconteceu no primeiro dia. Mas saiba também o que aconteceu no segundo e no terceiro.

 

N primeiro dia, as equipas dirigidas pelo Enfermeiro Sérgio Branco, presidente da SRSul, constataram o estado geral de boa conservação dos edifícios, onde funcionam os centros de saúde e respectivas extensões, a par das boas condições de higiene e de limpeza. Pontos positivos aliados à motivação dos Enfermeiros que demonstram uma inexcedível capacidade de entrega e de esperança no futuro.

 

Mas, a iniciativa Enfermagem@Sul visa, sobretudo, abraçar e ouvir todos os profissionais que dia-a-dia dignificam a sua profissão, apesar das limitações que possam enfrentar. Nesta dinâmica de escuta, a realidade acaba por “sujar” a beleza de límpidos gabinetes e de higiénicos corredores.

 

Impõe-se um lamento ao se verificar que alguns Enfermeiros adquirem com o seu próprio dinheiro material de trabalho, como, por exemplo, esfigmomanómetros (aparelhos para avaliação da tensão arterial) após ausência de resposta aos constantes pedidos de material. Ou, ao verificar que a farmácia de uma Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC) é arrumada pelos Enfermeiros por falta de pessoal auxiliar. Ou que numa Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) a consulta do pé diabético não existe desde Maio por falta de Enfermeiros.

 

São pontos negros que se adensam ao se perceber que um Enfermeiro e “meio” assegura o funcionamento de uma UCSP com sete mil utentes inscritos. Ou que três Enfermeiros têm de garantir o funcionamento das 45 vagas de ECCI (Equipas de Cuidados Continuados Integrados) com uma taxa de ocupação de 80% e, complementarmente, asseguram as visitas domiciliárias da UCSP e, em horas extras, estão também presentes no Atendimento Complementar aos feriados e fins-de-semana. A SRSul viu…

 

A realidade mostrou também três Enfermeiros a correr todos os dias para assegurar o atendimento a dez mil utentes, e um Enfermeiro, sozinho, porque não há mais ninguém, a garantir os cuidados num SAP (Serviço de Atendimento Permanente). Esse SAP, sem equipa de Enfermagem própria, é assegurado com recurso às horas extraordinárias dos colegas da UCC e da UCSP. Estas falsas horas extraordinárias, que decorrem da falta de profissionais, não são remuneradas, segundo a Enfermeira chefe, apesar de o pagamento ter sido solicitado. A par disto, há horas-extraordinárias que “desaparecem” do registo de assiduidade… Como? Pois, ninguém explicou…

 

Existem também UCC sem viatura de serviço, apesar de serem constantes as necessidades de deslocação ao seio da comunidade. Os Enfermeiros recorrem com frequência aos transportes públicos ou, então, ficam reféns da disponibilidade de cedência de viatura da autarquia. Mais grave ainda: Algumas viaturas de serviço, quando existem, apresentam um tão elevado estado de degradação que a segurança dos Enfermeiros é colocada em risco sempre que saem ao encontro dos utentes.

 

Este é só parte do panorama encontrado esta terça-feira pelas equipas da SRSul. O que fica por contar será registado em relatório para ser enviado posteriormente às autoridades competentes. Nuns ou noutros, o que aqui é descrito acontece nos centros de saúde visitados esta terça-feira pela Ordem dos Enfermeiros através da SRSul. Foram eles: Os centros de saúde de Alcanena, Benavente, Cartaxo, Coruche, Rio Maior e Salvaterra de Magos.

 

Pontos comuns é a discrepância visível nas condições de trabalho e no rácio de Enfermeiros. De realçar também o subaproveitamento das vagas de ECCI por falta de referenciação e o número elevado de extensões encerradas - condicionando a proximidade dos cuidados e obrigando a população mais vulnerável, e maior consumidora dos cuidados de saúde, a grandes deslocações. É visível ainda uma estratégia focada na doença, com desfalque para a promoção da saúde, devido à crónica falta de recursos humanos.

 

O abraço aos Enfermeiros, para uma maior humanização da saúde, prossegue esta quarta-feira pelo distrito de Santarém. É a Enfermagem@Sul pela dignificação dos profissionais e da profissão. O projecto iniciou-se no distrito de Faro, entre 1 e 5 de Junho. No final, percebeu-se que valeu a pena ter visitado a maior parte das unidades de saúde da região conhecendo as condições em que trabalham os Enfermeiros. O mesmo aconteceu no distrito de Portalegre, entre 30 de Julho e 2 de Agosto.