OMS indica 2020 como o Ano da Enfermagem

  • 05-02-2019

O Conselho Executivo da Organização Mundial de Saúde (OMS) vai propor à Assembleia Mundial de Saúde a adopção de 2020 como o Ano do Enfermeiro. O objectivo da iniciativa é celebrar a Enfermagem e a Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica (ESMO).

 

Luís Filipe Barreira, Vice-Presidente da OE considera que “a indicação de 2020 como Ano da Enfermagem e da ESMO vem demonstrar o papel crescente que a Enfermagem tem vindo a assumir no mundo. Além disso, reconhece a importância dos enfermeiros e a excelência dos seus contributos na prestação de cuidados. A Ordem dos Enfermeiros congratula-se com esta iniciativa da OMS que espera venha a concretizar-se em 2020”.

 

Esta iniciativa da OMS pretende assinalar a importância do ano de 2020 no contexto daquela instituição, uma vez que, entre outras actividades, nesse ano será lançado o primeiro Relatório Estado da Enfermagem no Mundo, que descreve a força de trabalho em Enfermagem entre os Estados-membro da OMS; será também lançado o Relatório sobre o Estado da ESMO; e será lançado o relatório da campanha mundial “Nursing Now!”

 

Várias figuras de relevo da Enfermagem mundial já vieram a público congratular-se por esta iniciativa, especialmente porque em 2020 se assinala o 200º aniversário do nascimento de Florence Nightingale, a fundadora da Enfermagem moderna.

 

O Conselho Internacional de Enfermeiros (International Council of Nurses – ICN) de que a Ordem dos Enfermeiros é membro apoia esta iniciativa, que será analisada pelos países em Maio durante a reunião anual da OMS. De acordo com a Presidente do ICN, Annette Kennedy, “A proposta do Ano do Enfermeiro e do Enfermeiro de Saúde Materna e Obstétrica em 2020 irá percorrer um longo caminho para elevar o perfil da Enfermagem e destacar a importância da necessidade de termos mais enfermeiros com boa formação, de se investir em estratégias de recrutamento e retenção e na remoção das barreiras ao desenvolvimento de papeis avançados de Enfermagem que são altamente eficazes na expansão da cobertura em saúde”.