Bem-vindo à página da Ordem dos Enfermeiros

Apoio à navegação

Tem à sua disposição 2 elementos auxiliares de navegação: motor de pesquisa (tecla 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Página Inicial da Ordem dos Enfermeiros
 
Pesquisar
Ignorar hiperligações de navegação
A Ordem
A Enfermagem
Membros
Colégios
Informação
Notícias
Press Releases
Revista da OE
Resenhas de Imprensa
Newsletters
ExpressOE
Galeria de Imagens
Pareceres / Pronúncias
Tomadas de Posição
Documentos Oficiais
Legislação
Publicações
Inserção Profissional e Empreendedorismo
Relações Internacionais
Projectos e Programas
Eventos da OE
Links
Agenda
English Information
Estrutura de Idoneidades
Estrutura de Sistemas de Informação em Enfermagem
FAQ's
Benefícios para os membros
 

Informação

Imprimir página
Notícias 
07-03-2017 
Ordem não aceita mais de 35 horas semanais para enfermeiros das USF 
 

A nova revisão da legislação das Unidades de Saúde Familiar (USF) tem de garantir com clareza que o horário de trabalho dos enfermeiros tem por base as 35 horas de semanais, defende a Ordem dos Enfermeiros (OE) na pronúncia enviada ao Governo.

“O período normal de trabalho da carreira especial de Enfermagem é de 35 horas semanais. Não aceitamos mais do que isso”, reforça o Vice-presidente da Ordem, Luís Barreira.

A OE discorda da forma como a legislação em análise se encontra redigida, uma vez que “poderá induzir em erro de se considerar que o horário de trabalho de 35 horas semanais pode ser aumentado face às UC do suplemento associado às unidades ponderadas”. Uma situação, alerta a Ordem, que não se encontra sustentada na legislação, tendo em conta o limite legal do período normal de trabalho.

Verifica-se ainda um tratamento desigual entre os profissionais da equipa multidisciplinar das USF, nomeadamente ao nível da manutenção do regime de remuneração diferente entre médicos e enfermeiros.

A Ordem defende igualmente ser “excessivo” o poder atribuído ao Director Executivo do ACES de validação necessária dos horários de trabalho. “A Ordem dos Enfermeiros, além de considerar excessivo aquele poder do Director Executivo, atenta a autonomia organizativa, funcional e técnica de cada uma das USF, considera que a mesma põe em causa as competências dos enfermeiros designados em funções de direcção e chefia em cada USF, aos quais compete gerir o serviço ou unidade de cuidados".

Já sobre a obrigatoriedade de os enfermeiros das USF terem de deter o título de especialista em Enfermagem de Saúde Familiar, prevista na versão em análise, a OE recorda que a mesma encontra-se em fase de regulamentação pela OE e, por isso, sugere a seguinte redacção: “os enfermeiros que constituem a USF, tendencialmente, têm de deter o título de especialista em enfermagem de saúde familiar.”

Poderá consultar aqui a pronúncia da Ordem dos Enfermeiros sobre a alteração ao Decreto-Lei nº 298/2007, de 22 de Agosto (USF).

 

PSDias 
  © 2012 Ordem dos Enfermeiros