Bem-vindo à página da Ordem dos Enfermeiros

Apoio à navegação

Tem à sua disposição 2 elementos auxiliares de navegação: motor de pesquisa (tecla 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Página Inicial da Ordem dos Enfermeiros
 
Pesquisar
Ignorar hiperligações de navegação
A Ordem
A Enfermagem
Membros
Colégios
Informação
Notícias
Press Releases
Revista da OE
Resenhas de Imprensa
Newsletters
ExpressOE
Galeria de Imagens
Pareceres / Pronúncias
Tomadas de Posição
Documentos Oficiais
Legislação
Publicações
Inserção Profissional e Empreendedorismo
Relações Internacionais
Projectos e Programas
Eventos da OE
Links
Agenda
English Information
Estrutura de Idoneidades
Estrutura de Sistemas de Informação em Enfermagem
FAQ's
Benefícios para os membros
 

Informação

Imprimir página
Notícias 
27-03-2017 
Governo e SEP boicotam direito legal da Ordem de participar nas negociações 
 

A Ordem dos Enfermeiros (OE) exige exercer o seu direito legal de participar, na qualidade de observador, nas negociações conjuntas entre Governo e todos os sindicatos. Condição que foi negada pelo ministro da Saúde em acordo com um sindicato, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

“A Ordem considera inadmissível que o Ministério tenha assumido com um único sindicato a exclusão da Ordem dos Enfermeiros enquanto observador, como está legalmente previsto. E exige uma mesa conjunta de negociação, tal como os médicos que também têm duas frentes sindicais”, defende a Bastonária Ana Rita Cavaco.

Os problemas laborais dos enfermeiros são de tal gravidade que interferem profundamente na prestação dos cuidados, na sua segurança e qualidade, pelo que é necessária a participação da OE enquanto observador nas negociações, como o devidamente solicitado ao Ministério da Saúde no início de 2016.

Perante esta realidade, a Ordem irá exercer a sua regulação sobre todos os enfermeiros e estará atenta à actuação dos dirigentes sindicais nos seus locais de trabalho. “Temos de garantir a qualidade dos cuidados prestados e que todos os enfermeiros tenham os mesmos direitos”, realça Ana Rita Cavaco.

PSDias 
  © 2012 Ordem dos Enfermeiros