Bem-vindo à página da Ordem dos Enfermeiros

Apoio à navegação

Tem à sua disposição 2 elementos auxiliares de navegação: motor de pesquisa (tecla 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Página Inicial da Ordem dos Enfermeiros
 
Pesquisar
Ignorar hiperligações de navegação
A Ordem
A Enfermagem
Membros
Colégios
Informação
Notícias
Press Releases
Revista da OE
Resenhas de Imprensa
Newsletters
ExpressOE
Galeria de Imagens
Pareceres / Pronúncias
Tomadas de Posição
Documentos Oficiais
Legislação
Publicações
Inserção Profissional e Empreendedorismo
Relações Internacionais
Projectos e Programas
Eventos da OE
Links
Agenda
English Information
Estrutura de Idoneidades
Estrutura de Sistemas de Informação em Enfermagem
FAQ's
Benefícios para os membros
 

Informação

Imprimir página
 
19-09-2017 
FMI dá razão à Ordem: é necessário contratar mais enfermeiros 
 

Tal como a OE tem vindo a defender, o mais recente relatório do Fundo Monetário Internacional conclui que é urgente a contratação de mais enfermeiros em Portugal. No relatório, o FMI analisa a eficiência da gestão de recursos humanos na Saúde referindo que “o número de enfermeiros convergiu para a média da Zona Euro, mas permanece comparativamente baixo...o que leva a um mix de inputs mais caro".

“É mais uma organização internacional a dizer que faltam enfermeiros no nosso país. Não se pode ignorar esta realidade. Estamos a falar da vida e segurança das pessoas e dos Enfermeiros e isso é o essencial”, realça a Bastonária Ana Rita Cavaco.

É de relembrar que apesar dos constrangimentos orçamentais dos últimos anos, a contratação de enfermeiros prevista no Memorando de Cooperação de 2011, assinado entre o Governo Português e a Troika, não chegou a acontecer levando a anos de inoperância e a uma situação de ruptura iminente no SNS.

“O problema não é a formação dos enfermeiros. O problema é que o Estado não os contrata e não lhes dá uma carreira digna. Por isso, hoje o rácio de enfermeiros por mil habitantes é um dos piores da Europa, atrás de países como a Letónia, Eslovénia ou Estónia”, relembra a Bastonária.

A OE recorda que propôs a contratação de 3000 enfermeiros por ano nos próximos dez anos, o que teria um custo de 65 milhões de euros (cerca de 0.6% do orçamento total para a Saúde).

 
  © 2012 Ordem dos Enfermeiros