Bem-vindo à página da Ordem dos Enfermeiros

Apoio à navegação

Tem à sua disposição 2 elementos auxiliares de navegação: motor de pesquisa (tecla 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Página Inicial da Ordem dos Enfermeiros
 
Pesquisar
Ignorar hiperligações de navegação
A Ordem
A Enfermagem
Membros
Colégios
Informação
Notícias
Press Releases
Revista da OE
Resenhas de Imprensa
Newsletters
ExpressOE
Galeria de Imagens
Pareceres / Pronúncias
Tomadas de Posição
Documentos Oficiais
Legislação
Publicações
Inserção Profissional e Empreendedorismo
Relações Internacionais
Projectos e Programas
Eventos da OE
Links
Agenda
English Information
Estrutura de Idoneidades
Estrutura de Sistemas de Informação em Enfermagem
FAQ's
Benefícios para os membros
 

Informação

Imprimir página
Notícias 
23-07-2017 
Cascais: É inaceitável que Especialistas sejam coagidos a exercer competências a preço de saldo 
 

A Ordem dos Enfermeiros (OE) considera ser inaceitável o clima de intimidação existente no Hospital de Cascais, em que os Enfermeiros do Movimento EESMO estão a ser coagidos a assinar adendas aos contratos para exercerem as suas competências sem uma remuneração adequada. Uma equipa de dirigentes e juristas da Ordem irá esta segunda-feira àquela unidade para avaliar a situação.

“É inadmissível o que está a acontecer em Cascais, onde os Enfermeiros estão a ser forçados a assinar adendas aos contratos para prestarem cuidados de Especialista a preço de saldo, sob a ameaça de processos disciplinares já escritos. Por isso, assumimos: A Ordem dará todo o apoio jurídico aos Especialistas e encetará, se necessário, as devidas diligências judiciais”, adverte o Vice-Presidente da OE, Luís Barreira.

A OE tem ainda conhecimento que desde que os Especialistas em Saúde Materna e Obstétrica do Hospital de Cascais iniciaram funções apenas enquanto generalistas, a 19 de Julho último, o Conselho de Administração, a direcção de Enfermagem e os recursos humanos daquela unidade têm também ameaçado os Enfermeiros do Movimento EESMO com mobilizações de serviço e com a revelação de que já estarão em curso contratações de novos Especialistas para ocupar os seus lugares, alegando tratar-se de uma parceria público-privada (PPP) sem obrigação de ter de aceitar o protesto.

PSDias 
  © 2012 Ordem dos Enfermeiros