Bem-vindo à página da Ordem dos Enfermeiros

Apoio à navegação

Tem à sua disposição 2 elementos auxiliares de navegação: motor de pesquisa (tecla 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Página Inicial da Ordem dos Enfermeiros
 
Pesquisar
Ignorar hiperligações de navegação
A Ordem
A Enfermagem
Membros
Colégios
Informação
Notícias
Press Releases
Revista da OE
Resenhas de Imprensa
Newsletters
ExpressOE
Galeria de Imagens
Pareceres / Pronúncias
Tomadas de Posição
Documentos Oficiais
Legislação
Publicações
Inserção Profissional e Empreendedorismo
Relações Internacionais
Projectos e Programas
Eventos da OE
Links
Agenda
English Information
Estrutura de Idoneidades
Estrutura de Sistemas de Informação em Enfermagem
FAQ's
Benefícios para os membros
 

Informação

Imprimir página
Notícias 
29-08-2017 
Carta aberta ao Presidente da República: Enfermeiros vão abandonar os serviços 
 

A Bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE) enviou uma carta aberta ao Presidente da República a apelar à sua intervenção urgente face à recusa do Governo de negociar a carreira de Enfermagem e ao crescente número de enfermeiros disponíveis para abandonarem os serviços.

“Vivemos tempos de emergência. O risco de o nosso Serviço Nacional de Saúde colapsar aumenta de dia para dia. Todos os dias estão a chegar à Ordem relatos de enfermeiros que manifestam intenção de escolher um dia para abandonar os serviços dos hospitais e centros de saúde. Temo que, ainda este mês, o façam, como na Finlândia. Os enfermeiros já ultrapassaram o seu limite e organizam-se fora das estruturas tradicionais que os representam, sindicatos e associações”, realça Ana Rita Cavaco.

A Bastonária sublinha que “os enfermeiros estão sem carreira, não têm categorias profissionais que a OE lhes reconhece, levam para casa menos de 1.000 euros por mês, generalistas e especialistas, os que trabalham 35 horas e os que trabalham 40 horas”, além do seu elevado nível de exaustão. Ana Rita Cavaco  lembra ainda que os serviços não cumprem o número mínimo de enfermeiros para manter as pessoas em segurança e garantir a qualidade dos cuidados prestados.

Perante o silêncio do Governo em relação à negociação da carreira com a maior classe profissional do SNS, a Bastonária escreve a Marcelo Rebelo de Sousa: “Recuso baixar os braços e aceitar este bloqueio em silêncio. Por isso, sem mais a quem recorrer, deixo-lhe um apelo sincero: recuse também. A sua intervenção é, neste momento, a salvaguarda do SNS e da vida dos portugueses”.

Leia na íntegra a carta aberta enviada ao Presidente da República.

PSDias 
  © 2012 Ordem dos Enfermeiros