Bem-vindo à página da Ordem dos Enfermeiros

Apoio à navegação

Tem à sua disposição 2 elementos auxiliares de navegação: motor de pesquisa (tecla 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Página Inicial da Ordem dos Enfermeiros
 
Pesquisar
Ignorar hiperligações de navegação
A Ordem
A Enfermagem
Membros
Colégios
Informação
Notícias
Press Releases
Revista da OE
Resenhas de Imprensa
Newsletters
ExpressOE
Galeria de Imagens
Pareceres / Pronúncias
Tomadas de Posição
Documentos Oficiais
Legislação
Publicações
Inserção Profissional e Empreendedorismo
Relações Internacionais
Projectos e Programas
Eventos da OE
Links
Agenda
English Information
Estrutura de Idoneidades
Estrutura de Sistemas de Informação em Enfermagem
FAQ's
Benefícios para os membros
 

Informação

Imprimir página
 
17-10-2017 
Auditoria do Tribunal de Contas: 2605 doentes morrem à espera de cirurgia 
 

Pelo menos 2605 doentes morreram à espera de uma cirurgia, em 2016. Esta é uma das conclusões da auditoria do Tribunal de Contas ao Acesso a Cuidados de Saúde no SNS divulgada esta terça-feira, 17 de outubro.

O relatório do Tribunal traça um retrato negro do SNS, concluindo que ocorreu uma “degradação do acesso dos utentes a consultas de especialidade hospitalar e à cirurgia programada”.

De acordo com o relatório, cuja análise incidiu sobre o triénio 2014-2016, o tempo médio de espera para uma primeira consulta de especialidade hospitalar aumentou de 115 para 121 dias e o número de utentes em lista de espera cirúrgica aumentou em 27 mil utentes, ou seja, cerca de 15%.

Na sequência do aumento das listas de espera para cirurgia, em 2016 houve 2605 inscrições que foram canceladas devido ao óbito do utente, sendo que, destes, 231 eram doentes oncológicos que aguardavam uma intervenção cirúrgica. “A capacidade de resposta dos hospitais do SNS na doença oncológica deteriorou-se face a 2014”, lê-se no documento, que critica ainda a qualidade da informação disponibilizada pela ACSS – Administração central dos Sistemas de Saúde sobre as listas de espera, considerando mesmo que não é fiável devido a procedimentos administrativos de “validação e limpeza das listas de espera”. “Foram dadas instruções pela ACSS às unidades hospitalares, no sentido de serem recusados administrativamente pedidos de consulta com tempos de espera muito elevados e ser promovida uma nova inscrição a nível hospitalar, produzindo resultados falsos sobre o tempo de espera efectivo do utente”, denuncia a auditoria.

O Tribunal de Contas refere ainda que a Região de Saúde do Algarve é a que apresenta os mais baixos índices de prestação de cuidados de saúde à população.

Para a bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, “o relatório do Tribunal de Contas só vem confirmar e dar razão a tudo o que a OE tem denunciado desde que estes órgãos tomaram posse, na salvaguarda da defesa das pessoas”.

 
  © 2012 Ordem dos Enfermeiros